quinta-feira, 10 de abril de 2008

Antes de postar meu primeiro poema sem rima, agradecimentos ao Duuuuuuuuum! Ele quem me incentiva a escrever. Bem ou mal, eu continuo escrevendo e tentando melhorar.
Enjoy=)
Valeu Duuuuum!


Sinto que quero mudar
Parar de chorar o que não fui
-nem nunca serei-
Aquilo que um dia tive
Mas por algum motivo
deixei se perder pelo caminho

Sinto que quero mudar
Construir um par de asas
Que me levem pra onde eu quiser
Viver, rir, amar, sentir a vida
e a brisa nos meus cabelos

Sinto que quero mudar
Os Titãs que me desculpem
mas não escuto mais "Epitáfio"
Escrevo as minha músicas
e o meu destino
Risquei os pontilhado
desenhados no livro da minha vida.
Se eu não posso ser perfeita,
posso ser eu mesma

Sinto que posso mudar,
mas a verdade
é que eu já mudei.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Sim, surtos poéticos (ou quase isso) no blog! E, diga-se de passagem, acho que o nome do blog também poderia ser "Nunca Sou Igual". Pior que é verdade. Acho que é impossível ser igual todos os dias, seja porque a cada dia um sentimento está diferente, seja pelo que se aprendeu, se viu, se desejou, se sonhou, se viveu. Nunca somos iguais. Não venham os radicais achar que eu tô falando de bipolaridade, ninguém passa de insano a sano em uma tarde. O contrário sim XD Aliás, insanidade é uma coisa boa. Detesto aquela palavra: normal. Vou fazer uma pergunta muito batida agora: o que é ser normal? Seja lá o que for, acho que eu não sou um bom exemplo XD
-Nossa, não tenho nem idéia de porque escrevi isso... É, não devo ser normal XD -
Eu estou cheia de coisas pra fazer, ler e escrever, mas também estou inquieta. Não inquieta por um motivo claro, não estou tendo flashes de coisas para me preocupar, apenas estou. Olha que o dia nem está ensolarado, está naquele tempo que só serve pra chorar, amar ou ficar entediado: chuva fina.
O Duuuuuuuuuuuuuuuuuum me passou a tarefa de escrever um poema sem rima, so far... Ai ai... Coisa deprê! Tô parecendo velha XD Vão ler os poemas do Dum (o garoto que é um Maluco muito mais Sadio do que eu).
Bom fim de semanaaaaa

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Hoje vi dois estranhos abraçados no trem
Entre beijos ardentes e lágrimas presentes
Me perguntei se é ela quem vai, ou ele quem vem

Hoje vi dois estranhos jurando no trem
Sussurros de amor e poemas de flor
Palavras que desabrochavam no coração de alguém

Hoje vi dois estranhos se olhando no trem
Os dele quase verdes, os dela quase mel
Contemplando um no outro o céu que só eles vêem

Hoje vi dois estranhos no trem
E hoje, nós nos somos estranhos?
Ele partiu, ela também

Pensei todo um dia no casal, pensei bem:
Se amam, se choram, se vêem, e nós?
Será que um dia fomos poema num trem?